O que vem com o COVID-19?

Medo do contágio e ansiedade pelo isolamento. A crise do novo coronavírus e o confinamento que está a ser aplicado em países europeus poderão deixar sequelas psicológicas, alertam profissionais, preocupados com os mais vulneráveis.

Fonte: sapo.pt

“Angústia, depressão, insónias problemas cognitivos… tudo isso teremos”, prevê o psiquiatra Serge Hefez, que, como muitos colegas, fechou seu consultório e agora atende pelo Skype.

A situação inédita criada pela epidemia, que surgiu no fim de 2019, na China, levou a OMS a publicar, no começo de março, uma série de recomendações para a saúde mental da população, seja ela de idade avançada, isolada ou que trabalhe na área da saúde.

Erguer uma barreira contra as informações falsas, consideradas prejudiciais, e animar o diálogo em caso de stresse são alguns dos conselhos sugeridos. Com a propagação do vírus e as medidas de confinamento, “constatamos a chegada de novos pacientes, que já tinham problemas psicológicos. Este período os submete a situações emocionais difíceis de gerir”, assinala a psiquiatra Fatma Bouvet de la Maisonneuve.

Entre as preocupações que aparecem durante as teleconsultas, a especialista destaca: “medo da morte, do contágio, síndrome de abstinência, conflitos familiares dentro de grupos delicados, tédio, sensação de prisão e de não saber o que irá acontecer, medo de que a renda caia e de ter de conviver consigo mesmo”.