“Mais de 50% dos negócios portugueses não tem website”

A portuguesa Páginas Amarelas e a Wix, gigante mundial de criação de websites, arrancaram este mês com uma parceria de quatro anos que tem como objetivo estimular a competitividade das PME portuguesas, através da digitalização dos negócios. Em entrevista à PME Magazine, Carmen Ferreira, CMO da Páginas Amarelas, refere que até 2025 serão criados dez mil websites e mostra que é preciso abraçar as oportunidades em tempos de crise.

 Fonte: pmemagazine  |  Por: João Carreira

PME Magazine – Em que consiste a parceria das Páginas Amarelas com a Wix?Carmen Ferreira – A parceria que estabelecemos com a Wix, e que está, neste momento, a materializar-se, transforma a Páginas Amarelas no parceiro de referência da Wix, uma gigante mundial no desenvolvimento web baseado na cloud, para Portugal. Abre margem a que as empresas sem presença online acedam a recursos inovadores, com base na plataforma da Wix e da consultoria dos especialistas da Páginas Amarelas, em áreas como a integração de softwares indispensáveis ao e-commerce. Com esta parceria, temos o objetivo duplo de, até 2025, criarmos mais de 10 mil websites.

PME Mag. – De que forma é que esta parceria irá ajudar à aceleração da digitalização das PME?
C. F. – Esta união de esforços contribui para a transformação digital, já que um dos primeiros passos para a digitalização é a criação de sites que coloquem as empresas, os seus produtos e serviços, no radar online. A criação de suportes profissionais é, para muitos pequenos e médios negócios, algo difícil de concretizar. Esta parceria vem democratizar o acesso às ferramentas do marketing digital e a novas oportunidades de fazerem negócio. Estamos a disponibilizar um conjunto de serviços que permitem às PME acederem a várias técnicas e estratégias de marketing digital, que até agora só estavam ao alcance das grandes marcas. A nossa missão é facilitar a digitalização de todo o tipo de negócios e contamos com a experiência acumulada de estarmos ao serviço dos mais diversos setores do mercado, há vários anos.

PME Mag. – Olhando para o panorama nacional, acha que as empresas portuguesas têm já uma boa presença no online?
C. F. – Apesar de caminharmos no sentido certo no que diz respeito à maturidade digital do país, há ainda um caminho longo a percorrer. Mais de 50% dos negócios portugueses não tem website, ou sequer um domínio de e-mail próprio, aquelas que são consideradas as bases de uma presença online. É exatamente por isso que nos aliámos à Wix – queremos ajudar a fazer crescer os números que transparecem um país mais digital e competitivo.

PME Mag. – O que considera que as empresas portuguesas necessitam para atingir uma presença consistente no digital?
C. F. – O primeiro passo está na criação de um website, para que os clientes potenciais possam encontrar a empresa com uma pesquisa simples. Este deve estar sempre atualizado com a informação mais recente, para não gerar inconsistências na comunicação. Não basta fazer a migração para o digital, comprar espaço publicitário e responder a leads. Há que posicionar a marca, definir territórios, alcançar visibilidade, acompanhar as interações, garantir segurança nos procedimentos e acompanhar as tendências para conseguir tirar partido de tudo o que fica ao seu alcance. O mundo hoje é digital: se o consumidor vive ligado a dispositivos com acesso à internet, há que estar presente onde ele pesquisa e compra.

PME Mag. – Que dicas daria para manter a resiliência numa situação de crise, como foi o caso desta pandemia?
C. F. – O foco nos fatores que dependem de nós e que são controláveis é essencial para nos mantermos ativos e centrados no que realmente é importante. As crises trazem sempre muitas oportunidades – é preciso estarmos atentos e descobrir um lado positivo em cada desafio que enfrentamos, porque se o fizermos sairemos sempre reforçados e com mais conhecimento para enfrentarmos a incerteza e novas crises no futuro. Os negócios que investem na promoção em tempos de crise são sempre aqueles que também recuperam mais rapidamente.

PME Mag. – Que próximos passos podemos esperar por parte da Páginas Amarelas?
C. F. – Tendo em conta os desafios acrescidos a que as empresas se viram sujeitas no último ano e meio de pandemia, queremos continuar a ser o maior parceiro nacional de digitalização das PME. A nossa missão é apoiar o tecido empresarial na transformação digital, e sentimos que, agora mais do que nunca, o apoio de especialistas é fundamental. Queremos tornar a digitalização cada vez mais acessível às empresas que mais precisam dela.