Fórmula 1: Turquia quer 100 mil espectadores no seu GP e vende bilhetes a 3,5 euros

Os organizadores do Grande Prémio da Turquia esperam contar com 100 mil fãs nas bancadas, no regresso da F1 àquele país.

Fonte: desporto.sapo.pt

De volta ao calendário do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 pela primeira vez desde 2011, como uma das provas alternativas em virtude das alterações ditadas pela COVID-19, o GP da Turquia, que será realizado a 15 de novembro, terá disponíveis para venda 100 mil ingressos.

Depois de confirmado que o evento iria ser aberto ao público, os organizadores da prova anunciaram esta terça-feira, em conferência de imprensa, acreditar que o circuito poderá acolher facilmente 100 mil espectadores, tendo em conta a dimensão do espaço. E os preços dos bilhetes, para que tal número seja atingido, são bem convidativos! Há bilhetes de um dia à venda por 30 Liras turcas. O equivalente a cerca de…3,5 euros.

“A Fórmula 1 tem, normalmente, determinados padrões pré-estabelecidos no que toca aos preços dos bilhetes, mas o governo pediu-nos para não termos isso em conta”, explicaram os organizadores.

Em relação a um eventual aumento do número de casos de COVID-19 no país até à realização do evento, os organizadores do GP da Turquia dizem-se, citados pelo portal ‘autosport.com’, prontos para tudo. “Precisamos de estar preparados para qualquer eventualidade. Se a doença voltar a ficar pior do que aquilo que está hoje, então termos de estar prontos para que a prova decorra sem espectadores. Mas temos perfeita consciência de qual é a lotação deste circuito. Normalmente, temos capacidade para 220 mil espectadores”, sublinharam.

Recorde-se que o Grande Prémio de Portugal, que tal como o da Turquia também regressa este ano ao calendário do mundual de F1, no circuito de Portimão, será igualmente corrido com público, tendo sido já vendidos aproximadamente 30 mil ingressos para a prova, a qual decorrerá no fim de semana de 23 a 25 de outubro. Ao todo, o Autódromo do Algarve deverá contar com entre 50 a 60 mil espetadores, cerca de dois terços da capacidade.