Elétrico de três mil euros já é um sucesso na China

O Hongguang Mini EV está à venda desde 24 de junho e, em menos de um mês, contabilizou mais de 15 mil unidades vendidas. A explicação para sucesso começa no preço, que arranca nos 3750 euros. Há gadgets mais caros…

motor24.pt

A General Motors abdicou do Velho Continente, mas a estratégia do consórcio norte-americano passa pela aposta forte na Ásia, com grande destaque para o gigante mercado chinês, nomeadamente através da joint-venture com o Grupo industrial SAIC, em várias parcerias. Um dos projetos conjuntos é este Hongguang Mini EV, comercializado com a insígnia da marca Wuling.

Trata-se de um veículo urbano, dirigido a clientela muito jovem que procura um meio de transporte para as voltas de todos os dias na cidade, ao preço mais baixo possível. O ‘mini’ isso para oferecer, a partir de 3750 euros, que é o valor pedido pela versão base. Somando-lhe a tecnologia de propulsão 100% elétrica e cotas habitáveis surpreendentes para menos de 3 metros de automóvel.

Autonomia para 120 km livres de emissões

O conceito é sobejamente conhecido, remete para os kei car japoneses (classe de carros eminentemente citadinos), com carroçaria de tamanho XS, com apenas três portas e quatro lugares a bordo. A conceção engenhosa do interior permite ainda algumas soluções de versatilidade como a possibilidade de rebater os bancos traseiros, para aumentar a capacidade de carga até aos 740 litros. Na gama, duas versões de equipamento. A mais básica (sem ar condicionado…), conta com bateria de iões de lítio com 9,3 kWh de capacidade, o suficiente para permitir 120 quilómetros de autonomia entre carregamentos. A variante mais equipada e cara (preços a rondar os 4500 euros) já dispõe de bateria maior, com 13,9 kWh, para 170 km de autonomia. Nas duas versões, motor com 27 CV de potência, capaz de acelerar 100 km/h.