Daqui a trinta anos, a Boeing quer atravessar o Atlântico em duas horas

© DR

Ligar os dois lados do Atlântico em menos de duas horas ou cruzar o Pacífico em pouco mais de três. Estas são as possibilidades que a Boeing quer ter prontas nas próximas décadas. Para já, tem apenas um conceito, mas daqui a três décadas já quer ter passageiros a hiper velocidade nos ares.

Fonte: 24.sapo.pt

A construtora aérea norte-americana Boeing apresentou esta semana um conceito para os transportes aéreos do futuro. Numa conferência em Atlanta, Estados Unidos, a empresa apresentou o conceito para um avião hipersónico de transporte de passageiros, que poderá estar a voar daqui a duas ou três décadas.

“Construir o futuro na Boeing implica olhar décadas à frente para aquilo que pode vir a ser possível, e inovar hoje para o fazer acontecer”, diz a empresa em comunicado.

A aeronave pode vir a ter usos militares ou comerciais, prevê a Boeing. Os engenheiros da empresa estão a estudar o potencial de aplicação de outros conceitos.

“Os engenheiros [da Boeing] estão a trabalhar para desenvolver tecnologia que torne os conceitos possíveis, posicionando a empresa para quando os clientes e os mercados estiverem prontos para colher os benefícios dos voos hipersónicos”, diz o texto.

“Estamos entusiasmados com o potencial para ligar o mundo mais depressa do que nunca da tecnologia hipersónica”, afirma Kevin Bowcutt, responsável pela investigação. “A Boeing está a trabalhar sobre seis décadas de trabalho a desenhar, desenvolver e voar veículos hipersónicos experimentais, o que faz [da Boeing] a empresa certa para liderar os esforços de trazer esta tecnologia para o mercado no futuro”, acrescenta, não especulando, porém, quando as viagens globais a velocidades hipersónicas serão uma realidade.

Acredita, todavia, que é possível que um veículo hipersónico de transporte de passageiros esteja no ar dentro de vinte ou trinta anos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.