As oitavas da Festa continua a ser bem vividas na Madeira

© Sílvio Mendes

Hoje, dia 26 de Dezembro, é a primeira oitava da Festa como se diz na Madeira.
No blogue «Madeira, Gentes e Lugares» é feita referência a este dia:
«Pelas oitavas do Natal, segundo o Padre Manuel Juvenal Pita Ferreira (O Natal na Madeira: Estudo Folclórico, 1956), «… é costume visitar as lapinhas da vizinhança, do sítio e até da freguesia.
Nas serras da Ribeira Brava, os visitantes tocam e cantam, diante do presépio, e deitam esmolas num pires, posto para isso, pelo dono, à frente do Menino JesusHá versos apropriados para a visita e oferta. (…).»
«No Porto Santo, não costumam cantar diante dos presépios, a não ser que o dono da casa dê viola.
Passam o tempo da visita a apreciar os pastores de barro» (…), «a Ceia do Senhor, os Reis Magos, a Natividade, cenas da vida pastoril, etc.
Em quase todas as freguesias da Madeira se joga e se reza o terço diante da lapinha.
Antigamente, em S. Gonçalo, cantavam-se novenas com Veni, ladainha e versos ao Menino Jesus.
Oficiava a pessoa mais devota, cantando os grandes e pequenos, a bom cantar.
Dava-se em todas o Menino a beijar, enquanto toda a gente cantava o Bendito, já hoje esquecido.»
Toda a esta ambiência natalícia das «oitavas do Natal» que nos narra o Padre Manuel Juvenal Pita Ferreira (O Natal na Madeira: Estudo Folclórico, 1956) prolongou-se no tempo e ainda hoje, algumas das tradições acima supracitadas são rememoradas em muitas freguesias madeirenses.
Por outro lado, as «oitavas» não acabam por aqui! Após grande festa do «Fim do Ano», prologam-se pelas «oitavas do Jesus» (primeiro dia do ano) e pelas «oitavas dos Reis» (6 de Janeiro), até ao dia de Santo Amaro (15 de Janeiro) com «limpeza dos armários», lá para os lados da freguesia de Santa Cruz.
E assim, termina a grande Festa que é o Natal na Madeira que consideramos em título por «Natal Madeirense».
De forma a «perpetuar» uma das «oitavas do Natal» na Madeira foi instituído um dia feriado regional através do Decreto Legislativo Regional N.º 18/2002/M, de 8 de Novembro, o dia 26 de Dezembro: a «primeira oitava».